Consultora de Marketing Empresarial e Gastronômico. Gestora Gastronômica. Palestrante. Orientadora empresarial. Coach & Mentoring Business, Escritora, Empresária e Executiva, Colunista Jornalística e Blogueira.

Gestora de "SS - Solução em Eventos" - Catering. Buffet. Cerimonial. Gastronomia. Assessoria. Consultoria. Soluções em Eventos.

Deal maker da Empresa "Festa Boa Pra Cachorro" - 1a estrutura formal de Produção e Pet-cerimonial do Brasil, destinado ao desenvolvimento e realização de projetos e eventos (sociais e corporativos) direcionados ao Setor Animal e Segmento Pet, e 1a Deli Pet Gourmet.

Uma das 10 Super Chefs, edição 2011, do programa "Mais Você" na Rede Globo.

“É muito melhor ousar coisas difíceis, conquistar triunfos grandiosos, embora ameaçados de fracasso, do que se alinhar com espíritos medíocres que nem desfrutam, nem sofrem muito, porque vivem numa penumbra cinzenta, onde não conhecem vitória nem derrota”. (Theodore Roosevelt)

Do Rascunho a Arte Final - Entrevista Black&White. Por Amaury Santos



Quem é a Shirley Santos?


Prefiro te responder "o que é Shirley Santos" e te oferecer uma visão sistêmica:


As críticas não me abalam - apenas me fazem pensar, e retirar o melhor delas. Os elogios não me iludem - apenas me mostram as nuances da natureza de cada ser humano. Sou o que sou e não o que dizem. Mesmo que o que digam seja o melhor dos conceitos. Vivo o presente, ajudando em meus atos o melhor para futuro para mim, para os que gosto, ou não gosto e, principalmente o Universo... e tchau para o passado... mantendo-o apenas como referência, mas nunca com a intenção de voltar, voltar e voltar. Se não deu certo, não tente consertar. Não perca o seu tempo em dobro. Crie e faça o novo, sempre, e de outra forma. Quebrando padrões. É a física Quântica. Anyway, think about it!



Qual o resultado da mistura de marketing x gastronomia?

O resultado é uma enorme satisfação profissional e pessoal. É conforme falo em meu perfil profissional: “O Marketing foi um encontro de afinidades e a Gastronomia um encontro de almas.” Este mix mexe com a minha experiência e história.
Tudo o que fazemos com amor e satisfação acaba sendo uma detalhada construção e não um trabalho.
Gosto e funciono muito bem em ambas as áreas, pois possuo um equilíbrio bastante interessante entre as funcionalidades do lado direito e esquerdo do cérebro, mas só agora, recentemente, é que decidi ouvir a minha voz interior, e também depois de passar anos e anos recebendo o apoio de meus pais e amigos para que eu ingressasse comercialmente na área, uma vez que sempre pratiquei a recepção e gastronomia como saborosos hobbyes. E estes mesmos amigos e parentes sempre foram as minhas corajosas cobaias!


Você criou uma nomenclatura muito própria para você: Gestora Gastronômica. O que vêm a ser?


Sim. Transportei a minha experiência executiva para dentro das panelas. Criar e gerir uma receita e uma cozinha requerem habilidades muito similares com a gestão e administração de uma empresa. Tudo tem de ser planejado, mensurado, argumentado e fundamentado dentro de uma visão sistêmica e, após, classificado por unidades e estilos. Apropriei-me deste cenário, adaptando-o à realidade exigida pela gastronomia e sob a ótica não apenas do Chef, mas do consumidor, do degustador daquela alquimia gastronômica.
Para resumir: o que defino como "gestora gastronômica", é a minha formação acadêmica e curricular nos meandros executivos, tendo agora as suas aplicabilidades adaptadas aos territórios gastronômicos e sob o ponto de vista e ótica do gourmet e cliente daquele resultado.
E outro detalhe: apesar das responsabilidades nutricionais das minhas composições alquímicas, faço questão de manter a minha liberdade e inspiração desconectadas de normas e procedimentos pré-concebidos. O que impera em minha cozinha é a fórmula "bom-bom": bom senso e o bom gosto.



Você dispensa os títulos de Chef Gastronômica e Pizzaiola?


Não dispenso os títulos.
Ser denominada especificamente de "pizzaiola" limitaria um universo que começou comercial e publicamente através da tradução das pizzas, quando fui convidada a participar de importantes e renomados eventos, mas que logo em seguida transpassa fronteiras através dos crepes, jantares e tantas outras criações e execuções que realizamos.
A minha cozinha é cercada de competência prática por anos e anos atrás de "fogões informais" e por vontade própria, unidos a uma base e noção nutricional, intuitiva, cultural, pesquisadora mas não tão presa ao acadêmico em si. 

Acredito até que Ferran Àdria, o famoso Chef catalão, discutiria comigo este ponto de vista pois, segundo ele, um bom Chef só pode ser chamado assim após, pelo menos, uns 6 anos de prática. Se eu te confessar que desde os 5, 6 anos de idade eu já habito cozinhas e deixo a imaginação e prática voarem... isso sem falar que uma de minhas mestras foi uma tia formada em química, física e biologia. Cada sanduíche feito era uma vasta e profunda aula dada e aprendida!


Você é adepta das relações de reciclagem e orgânicos?


Sim, orgânicos e reciclagens. E não só das que geram resultados positivos ao meio-ambiente. Principalmente das que geram resultados internos e de posturas.


Como assim? Você quer dizer reciclagem de pessoas?


Sim, é isso mesmo.
Precisamos reciclar nossas ideias e nossos ideais. Precisamos aprender a dizer "esqueci" quando sabemos algo, e a informação temporariamente nos fugiu da memória, e "não sei" quando não dominamos a matéria. Isso também se chama simplicidade.
Uma boa sugestão de reciclagem começa pelos relacionamentos humanos.
Eles também precisam ser orgânicos e buscar mais suas raízes. Precisamos prestar atenção nas palavras e posturas que poluem, na arrogância que fere e intoxica o organismo, e ecoa e tremula em nossos corpos e atitudes, desencadeando um efeito em cascata que estimula o desconforto, apreensão e insatisfação entre as pessoas e profissionais de classe. É necessário arrancar esta agricultura de egos inflados e replantarmos hortas de respeito e carinho ao ser humano, antes de quaisquer títulos que este porte, seja ele de cozinheiro, copeiro, maitre ou chef.
Abaixo a arrogância e avante a gentileza.
Pessoas pensam, criam e sentem e, sendo assim, é inconcebível que tenham estas suas potencialidades desmerecidas.



E quais são as "Paixões da Shirley", ao invés das Paixões da Chef, seu antigo e enigmático nome comercial?


Bem, "Paixões da Chef" era o nome-fantasia que até então eu carinhosamente utilizava no mercado. Entretanto, após o advento do Super Chef (Rede Globo de Televisão - Programa Mais Você, de Ana Maria Braga) meus colaboradores de imagem e mídia realizaram uma pesquisa e viram que o nome "Shirley Santos" adquiriu força e conhecimento no mercado e foi a partir daí que guardamos o antigo nome, e relançamos o catering\buffet com o meu nome no mercado. Mas a paixão nunca, jamais, em momento algum será abandonada!


Quanto as Paixões da Shirley ... São diversas e intensas! Gastronomia, marketing, negócios e enologia. Acho que isso até nem precisaria ser dito. Artes plásticas: criar, realizar e apreciar. Malhação - uma necessidade de corpo e alma. Música. Minhas lindas e especialíssimas filhas, meus amados familiares - incluindo aqui os nossos bichinhos de estimação! - e meus queridos amigos. Escrever e ler. Cavalgar e praticar Yoga. A vida e Deus - sem Ele nada há! - naturalmente! E tantas e tantas outras.

Pratica esportes?


Quando resolvo dedicar algum tempo. Malhação, marcha, yoga e cavalgada.




Quais suas atividades prediletas?

Diversas, e que mexam com a criatividade. Cinema, teatro, dançar (amo!), planejar e desenvolver o que chamo de "minhas alquimias gastronômicas" através de "Shirley Santos - Atelier Gastronômico" para os meus degustadores.
Saio completamente de órbita quando entro em processo das criações e suas execuções. Nada me dá maior satisfação do que ver a coisa pensada; pronta e materializada.



Gosta de Leituras? Quais estilos?

Sim, amo. Geralmente são técnicos. Gastronomia, Administração, Marketing, Física quântica, Hospitalidade e similares, Arquitetura, Design e Decoração. Pets. Auto-ajuda (sérios, é óbvio). Literatura Seicho-No-Ie (Filosofia de vida baseada no budismo, xintoísmo e catolicismo). Alguns (raríssimos) romances. E a grande literatura de todos os tempos: A Bíblia. Muitas revistas de alta informação (Diversas de Gastronomia e similares, sobre Pets, Exame, Bons Fluídos, Casa Cláudia, VIP, e outras).


Qual a sua música favorita?

São tantas! Um estilo: lounge music (tipo Daslu Music). Smooth Jazz, House, Chillout, Bossa Lounge, o tema de Efeito Borboleta: "Stop Crying Your Heart Out", com Oasis. Todo o trabalho do sensacional e politicamente correto Deep Forest - maravilhoso - idem ao trabalho dos brasileiríssimos e belíssimos LSJack, Vinicius Cantuária, Jorge Versillo. A banda britânica Jamiroquai, o também britânico Seal, a irlandesa Enya, a canadense Diana Krall, Craig Davis, o projeto Enigma, Clannad & Bono, Gregorian com a indefectível e esplendorosa "So Sad", Royal Philarmonic Orchestra, e outros. Jay Vaquer - simplesmente ele é "o que há"... tenho certeza de que algumas pessoas precisam fazer um "up-load" no intelecto para alcançar o brilhantismo.


Gosta de Programas de TV?



É um dos itens necessários da atualidade para se manter informada com agilidade, além da contemporânea internet. Jornalismo, Gastronomia, Informativo e Humorísticos. Gosto principalmente de assistir aos comerciais, por incrível que possa parecer. Gosto de testemunhar o "boom" de brilhantismo e qualidade que a publicidade mundial e especificamente a nacional vêm escalando. Um luxo e show de competências. Especialmente cito um da Smirnoff Sea (veja abaixo) que é simplesmente acima de quaisquer defeitos. Acho-o perfeito tanto em concepção, como criatividade, composição artística e direto ao ponto. Primoroso.



Sua cinemateca?

Gosto muito de documentários, e do estilo que façam raciocinar um pouquinho tipo "The Butterfly Effect" (Efeito Borboleta), com Ashton Kutcher e outros, e direção de Eric Bress, e "What the bleep do we know?" (Quem somos nós?) com Barry Newman, Elaine Hendrix, e outros, e direção de Betsy Chasse. Match Point, direção de Woody Halen. Às vezes, românticos, do tipo "What dreams may come" (Amor além da vida), com os espetaculares Robin Williams, Cuba Gooding e outros, e direção de Vincent Ward, e todos e quaisquer que tragam o tema, ou binômio, "gastronomia e enologia" em seus roteiros. Óbvio!




Conforme perguntam no perfil de um famoso site de interrelacionamento: Quais as cinco coisas sem as quais não consegue viver?

Cinco? É pouco, muito pouco!
1) Minhas lindas filhas e minha bela família - incluindo nossos pets. 2) Meus amigos. Meus ma-ra-vi-lho-sos amigos! Sem os quais, nem pensar! 3) Meu trabalho e, principalmente, minha produtividade. 4) Minhas realizações pessoais e profissionais. 5) Minha criatividade latente e divisão dela com amigos e familiares. 6) LUZ DO SOL! SOL! MUITA LUZ E CLARIDADE! 7) Sem RESPEITO! Respeito às pessoas, aos animais, ao meio-ambiente, ao maravilhoso Universo que nos foi "emprestado" enquanto estamos aqui "de passagem", pois viemos para cá para preservar e construir e, sendo assim, tenha certeza e a consciência de que, ao partir, ficará mais alguma construção do que o que tinha quando você chegou... 8) Deus, acima de tudo o mais que haja!




E os relacionamentos pessoais?

Nossa! Grandes aprendizados, "caras e corações ralados" e crescimentos! Nesta evolução aprendi a separar o "joio" do "trigo" e, desta seleção, fazer o melhor pão do mundooo!! Também aprendi a respeitar as divergências e diferenças e solicitar - ou exigir - o mesmo para mim, e a entender que tudo que começa, tem meio, e um dia acaba. E isso não têm nada a haver com amor... Tantas e tantas outras coisas!


Qual o seu maior radicalismo?

Com a Hipocrisia. Mentira - sou um ser humano bastante flexível, mas extremamente radical com pessoas hipócritas e mentirosas. Não perdôo. Deixo isso para meu Pai - "Deus". Apenas risco do mapa como se NUNCA tivessem existido. E também com a indiferença. É inconcebível não olharmos para os lados, não entendermos que tudo começou lá atrás, de apenas um casal e que, de certa forma, somos todos uma grande família. Não dá para não entender que é obrigação nossa somarmos e, para alguns, até exponenciar nas relações sócio-humanitárias levando a luz para os nescientes e ajustando o foco para os ignorantes. Acho que já me fiz entender...


Quais são os seus ídolos?


Não tenho ídolos. Prefiro dizer que tenho grandes exemplos de vidas e feitos. E são diversos. E em diversas áreas e por diversos motivos. Deus é o máster-exemplo. Depois vem o mestre Matshaharu Tanigushi (mestre da Seicho-No-Ie), seguido de Meu Pai (um grande homem - tanto na forma quanto na concepção - e um grandioso ser humano, grande exemplo de caráter, caráter e caráter, formação, conduta, perseverança, amor, docilidade, solidariedade, amizade e carinho, e muitos outros adjetivos), Mahatma Ghandi, e segue a relação... ! Prefiro não citar alguém ligado a gastronomia, porque são muitos, tantos que poderia não caber aqui (risos!).




E as suas cozinhas prediletas?

Aprecio todas, mas admiro a Italiana, Indiana, Tailandesa, Japonesa, Mediterrânea e, obviamente, a nossa, a brasileiríssima! O mix. Amo muito tudo isso!








Imagens concedidas: Workshop FNAC - M.PMG/H Marketnews Planej. Mkt Gastronômico e da Hospitalidade - Criações da "Paixão Por Pizza Gastronomia (incorporada atualmente a Shirley Santos - Atelier Gastronômico) - Trabalhos artísticos da gestora gastronômica Shirley Santos.
Membro da Confraria Amigas do Vinho e Confreira do Forum de Eno-Gastronomia. Member of The American Society of Rio de Janeiro. Por Amaury Santos, jornalista e radialista.


video

video